Fundos Imobiliários

FII – Desvantagens:

  • Não servem como garantia para outras operações na bolsa (como exemplo, no aluguel de ações, nas margens operacionais, etc.) ou para alienação fiduciária e hipotecas.
  • Os fundos cobram taxas de administração, porém em geral, menores que 1,0%, ou seja, uma alíquota bem mais camarada, quando comparada a outros fundos.
  • Alguns fundos ainda têm baixa liquidez.
  • Os fundos de títulos apresentam maior risco de crédito.
  • Crises financeiras e, principalmente, crises no setor imobiliário podem afetar diretamente o valor das cotas e os proventos mensais, especialmente dos fundos de renda.
  • Risco de vacância dos imóveis que fazem parte do portfólio do fundo.
  • A alíquota do imposto de renda no caso de ganho de capital sobre a venda das cotas é de 20%. Para imóveis, alíquota de ganho de capital é de 15%. Existe ainda a isenção quando a venda tem como objetivo a compra de outro imóvel, dentro de um prazo de seis meses.

Conclusão

Investir no mercado imobiliário sempre foi e será um grande negócio. Todavia, as boas oportunidades exigem capital robusto, pagamentos à vista e maior conhecimento por parte do investidor. Outros fatores limitantes são as altas taxas de corretagem, os aborrecimentos, os impostos e a questão burocrática: investir em imóveis nunca é uma tarefa fácil! Portanto, tenho total convicção que os FII são ótimas opções de investimento em substituição ao investimento direto em imóveis, especialmente para os pequenos investidores. Desta forma, acredito que os fundos imobiliários têm grande potencial de crescimento no Brasil por serem boas opções de investimentos no mercado imobiliário. Nos últimos anos, 2011/2012, houve um crescimento robusto destes fundos no Brasil e a tendência é muito positiva. 

Mais informações poderão ser obtidas no site www.fundoimobiliario.com.br.

Caso prefira, tire suas dúvidas e mande perguntas através do meu site.

Bons investimentos!

Marcelo Montandon Jr.