Skip to content Skip to footer

IBOV – dezembro de 2020. Atualização extraordinária

Como previsto na última publicação, o IBOV continuou em alta nas duas primeiras semanas de dezembro. Algumas correções pontuais ocorreram, mas nada que tirasse o ímpeto comprador dos investidores.

Graficamente e objetivamente, não existem sinais claros de mudança dessa tendência de alta. É provável que busquemos ainda em 2020, pelos menos o topo histórico em 120 mil pontos. Novas máximas também são possíveis.

Todavia, sigo de perto um indicador técnico que já mostra sinais de “cansaço” desse movimento de alta. Assim, escrevo essa atualização extraordinária para alertar aos leitores que em algum momento no futuro uma correção mais intensa virá. Isso faz parte do mercado de renda variável. Nada sobe eternamente. Como sempre, só não sabemos quando será: pode ser na próxima semana, em janeiro ou fevereiro, mas a correção virá. Não tenho dúvida disso.

Outro ponto: várias ações subiram fortemente nos últimos 40 dias e podem continuar subindo, mas a “margem de segurança” do investimento está cada vez mais apertada. Grosso modo, essa margem é a diferença entre o preço atual e o valor justo do ativo num futuro pré-determinado. Um exemplo: numa das casas de análise independente que acompanho, as ações da Vale tinham como preço-alvo 78 reais (relatório de outubro de 2020). A ação estava cotada a 62 reais. Assim, a margem de segurança era bem confortável. Bom, mas atualmente, a ação já superou esse valor (85 reais). Cadê a margem de segurança? Esse caso da Vale foi apenas um exemplo, pois vários ativos estão na mesma situação. Faça uma varredura detalhada na sua carteira.

Importantíssimo: vender parte dos ativos em carteira é muito diferente de venda a descoberto. Vender sem ter o ativo é um movimento muito arriscado e, pior, pouco inteligente no cenário atual.

Mais um aspecto relevante: o “rotation trade” continua a todo vapor. Empresas que ficaram para trás, como bancos, mineradores, siderúrgicas e petroleiras subiram fortemente. Com a queda do dólar mundo afora, as commodities subiram de maneira intensa (essa correlação inversa é muito comum).

Assim, o que fazer com seu portfólio de ações? Deixe de lado o “tudo ou nada”, faça um meio-termo. Realize parcialmente seus lucros. Lucros no bolso não geram prejuízos, nunca. E a parte que permanecerá comprada em renda variável continuará a aproveitar o bom momento da bolsa. Exemplo: se você tem 30% em bolsa, porque não reduzir em 1/3 ou pela metade sua posição? Não existe uma receita de bolo, o montante é uma decisão individual.

Ativos de proteção: dólar e ouro caíram muito nos últimos dias, mas lembre-se de que a função deles é proteção, por isso você deve mantê-los em carteira. Talvez entre 5 a 10% do portfólio.

Por último, onde colocar o dinheiro da venda de parte do book de ações. Recomendo aplicar em caixa (DI ou Selic) e em títulos vinculados à inflação de curto prazo, que são menos voláteis em virtude da possibilidade da subida dos juros futuros  (importante: visando sua aposentadoria mantenha seus títulos de longo prazo vinculados à inflação). Outra opção é aumentar um pouco sua posição no ativos de proteção, porém sem exagerar na dose.

Mensagem final: não deixe de aproveitar a festa atual dos ativos de renda variável, mas só não seja o último a apagar as luzes. Controle sua ganância!

Bons investimentos!

MJR

As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos. E mais. O investimento no mercado de renda variável pode gerar prejuízos.

Investir Cada Vez Melhor © 2021. All rights reserved. Desenvolvido por PortalQuest Interativa

Copyright © 2021. Investir Cada Vez Melhor - Todos os direitos reservados. Desenvolvido por PortalQuest Interativa.